História

O povoado que deu origem ao município de Roseira surgiu por volta do séc.XVIII, às margem do Caminho Real que ligava São Paulo ao Rio de Janeiro, onde se localiza o bairro de Roseira Velha. O povoado surgiu em torno da Capela de Nossa Senhora do Rosário, hoje Nossa Senhora da Piedade.

Durante o período entre 1780 a 1840, o município foi um centro produtor e exportador de açúcar, aguardente, milho, feijão, arroz, farinha de mandioca, fumo, algodão e azeite de mamona.

A partir de 1840, os engenhos de açucar foram transformados em fazendas de café, posteriormente, substituídas pela pecuária leiteira por volta de 1920. Nas próximas décadas surgem os imigrantes italianos, franceses, japoneses, espanhois, com o plantio de arroz, legumes e verduras.

Em 1876, com o prolongamento dos trilhos da Estrada de Ferro Dom Pedro II, no trecho de Cachoeira Paulista a São Paulo, o Governo Imperial escolheu nas terras de Francisco Monteiro dos Santos (em frente ao povoado de Roseira Velha) uma área para a estação de Roseira que seria indenizada ao proprietário. No entanto, o Major Vitoriano Pereira de Barros, fazendeiro no local onde se ergue hoje a cidade de Roseira, ofereceu ao Governo as terras, sem custo algum, para a construção da estação e de um povoado.

Em março de 1877, inaugurava-se a Estação Ferroviária, declinava o povoado de Roseira Velha e nascia a futura cidade de Roseira, então bairro de Guaratinguetá.

No dia 17 de dezembro de 1928 foi criado o município de Aparecida, desmembrado de Guaratinguetá, em cuja área territorial inclua-se o bairro de Roseira.

No dia 31 de dezembro de 1963, foi aprovada a Lei Estadual nº 8050, do deputado José Armando Zollner Machado, criando o município de Roseira, desmembrando-o de Aparecida. No dia 21 de março de 1965 instalou-se a primeira Câmara Municipal tendo como Presidente Virgílio Monteiro dos Santos França e o primeiro Prefeito foi Antonio Giovanelli.

A altitude média do município é de 544 metros, ou seja, podemos considerar o território de Roseira essencialmente plano.

Em relação a vegetação, Roseira pode ser classificada como Mata Atlântica de Várzea do Paraíba do Sul. Inicialmente, era coberta pela floresta “Pluvial Tropical”; atualmente é ocupada, quase na totalidade, pela rizicultura e cultura de hortaliças, plantio de eucaliptos, pastagens e vegetação secundária. Dentro da área de Proteção Ambiental de Roseira Velha, às margens do Rio Paraíba e em alguns pontos isolados de preservação, podemos encontrar mata nativa – vestígios de Mata Atlântica – de formações arbóreas, frutíferas, arbustivas e herbáceas
Rio Paraíba do Sul /Ribeirão Pirapitingui /Ribeirão Piratini ou dos Surdos/Ribeirão dos Pombos /Ribeirão Roseira
A altitude média do município é de 544 metros.
Latitude: -22,89806/Longitude: -45,30528
Área: 130,65km²

Cidade histórica que nos faz orgulhar

Muito aprazível enche os olhos da gente

O teu passado é nobre e cheio de esplendor

Ontem menina hoje amadurecestes

Roseira o vale volta os olhos para ti

pela grandeza deste povo que trabalha

De sol a sol seja no campo ou na cidade

Mostrando a todos que é com luta que se vence

Tua gente é simples de alma pura e pulso forte

Terra de encanto é sempre teu meu coração.

Oh! cidade flor do vale com pé firme sempre caminharás.

Oh! cidade flor do vale do meu coração jamais sairás.

Quebra-cangalha e Mantiqueira que te cercam

São testemunhas do progresso desta terra

Do solo fértil traz a mesa o melhor pão

São Paulo sempre se orgulhará de ti

Tua estrada foi caminho do império

Compondo a história do nosso grande Brasil

Teu nome lembra o cheiro de uma linda flor

Que era botão e hoje já desabrochou

Teus bravos filhos buscam um grande futuro

A ti Roseira terra amada e varonil.

Oh! cidade flor do vale com pé firme sempre caminharás.

Oh! cidade flor do vale do meu coração jamais sairás.